COLUNA DE OPINIÃO – Xuxa: Porta-voz do Brasil

Imagem do artigo veiculado pelo Le Monde Diplomatique Brasil
CURADORIA – “Declarar a pobreza ilegal. Por Riccardo Petrella”
março 29, 2021
Curadoria – 57 anos do Golpe Militar
abril 1, 2021

COLUNA DE OPINIÃO – Xuxa: Porta-voz do Brasil

Xuxa: Porta-voz do Brasil

Amanda Castro Machado e Rafaela De Negri 

Coluna de Opinião do Fórum Social Mundial da Saúde e da Seguridade Social

 

A fala da atriz, cantora e apresentadora Xuxa Meneghel repercutiu nas redes sociais na noite desta sexta-feira (26/03). Em entrevista, Xuxa ratifica o que já está inserido no imaginário da população brasileira: o corpo da pessoa aprisionada (em sua maioria, preto e pobre), vale menos do que a de qualquer outro humano, ou animal. Ao condenar veemente a testagem de vacinas e produtos em animais, a apresentadora oferece os corpos encarcerados como sendo uma alternativa “mais justa”.

A diversidade de reações de telespectadores à fala da Xuxa, ratificada por seu entrevistador, revela a pluralidade de realidades que coexistem no Brasil. Por um lado, o discurso de “bandido bom é bandido morto” sendo novamente legitimado, e, por outro, o horror a ideia da eugenia* enunciada na entrevista.

O que choca neste episódio, como em tantos outros em um país que o punitivismo vitimiza corpos pretos e pobres diariamente, não é a fala de Xuxa em si, já que esta não mais surpreende. O que choca é a falta de conhecimento e o ativo desinteresse no universo de pessoas aprisionadas em condições subhumanas (vale, neste caso, pontuar: indignas inclusive para animais).

Não nos cabe aqui inverter papéis e “cancelar”/demonizar a Xuxa e o entrevistador do programa, uma vez que compreendemos que suas falas apenas exteriorizam o que já habita perversamente na mente de tantos brasileiros: que a prisão cumpre a função de repositório dos indesejáveis, dos inúteis, dos párias, daqueles que não tem qualquer função social na sociedade. No mesmo momento em que a lista de antecedentes é maculada, também o é a vida da pessoa, que levará consigo pelo resto da vida este estigma  enquanto egressa do sistema prisional.

O que nos cabe, sim, como sociedade civil, militantes, pesquisadores, profissionais das mais diversas áreas – enfim, cidadãos e seres humanos, é questionar o porquê de uma fala assim ainda existir em 2021, e atuar no sentido de trazer conhecimento para o Brasil sobre pesquisas, dados, e vivências cotidianas que desvelam a máquina de moer carne que é o sistema carcerário brasileiro.

Além da análise necessária para podermos de fato entender como e porquê alguém diria algo assim no ano de 2021, nos é necessário reconhecer o porquê de – através de comentários nas redes que veicularam a notícia e no próprio programa que a difundiu – muitas pessoas concordarem com a fala da apresentadora. Como sintoma da Era da Pós-verdade e dos “fatos de opinião” temos a produção de uma quantidade massiva de informações socialmente verdadeiras quando analisadas por um ponto de vista único, mas profundamente irrigadas em relações de poder que formam esses sensos comuns. E como resultado temos Xuxa Meneghel pulverizando opiniões cruéis baseadas em achismos rasos e ignorando profundas desigualdades e aspectos sociais do e no sistema carcerário, que quando elevado ao poder da figura pública de Xuxa, tem desenrolares possivelmente desastrosos.

Nosso esforço deve ser em unir, não excluir. Vamos reajustar nossas lentes sociais para nos relembrarmos do óbvio: que, antes de nossas ações, somos pessoas. Vale, também, ao fazer análise sociais e emitir opiniões, atentarmo-nos ao fato de que vivemos em um país assolado por violências estruturais que incidem sobre alvos específicos, grupos vulnerabilizados pela hegemonia politico-econômica-social. 

A destruição do outro, do estranho, especialmente quando gerada pela ignorância ressentida, não é solução. 

Nesta pandemia, a solidariedade comunitária tem o potencial de salvar incontáveis vidas. Permitamo-nos sentir e construir esta solidariedade. A empatia é o caminho, não o ódio.

 

* Eugenia: seleção de seres humanos com base em suas características hereditárias com objetivo de melhorar as gerações futuras.

** Íntegra de fala de Xuxa Meneghel: https://f5.folha.uol.com.br/celebridades/2021/03/xuxa-sugere-usar-presos-para-testes-de-remedios-que-sirvam-para-alguma-coisa.shtml 

ArabicChinese (Simplified)DutchEnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish